Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Apresentados

Fragmentos da Incongruência XXXVII

"Não é este céu de Outono tão igual aquele sob o qual deixávamos fluir o que outra julgamos ser uma simbiose indestrutível? Ou é apenas, e como tantas coisas, mais uma ilusão com a qual acalmo a lâmina que me treme na mão? Ou será a memória do teu sangue à qual fujo para não ter que relembrar que as estrelas já não se reflectem nos teus olhos quando o teu corpo quente se refugia no meu abraço, que não existe essa promessa de refúgio e perdição na qual julguei por momentos encontrar um significado para a insanidade que me empurrava o veneno nas veias?
Ou... É apenas o som do vento que me sussurra algo semelhante à tua voz e me faz perder a razão?"
- In "Da Incongruência da Morte"

Mensagens mais recentes

Folhas Soltas P6-1

Sonhar (Parte VIII)

Portos de Abrigo (Work In Progress...)

Folhas Soltas P4-1

Chevry (descansa que não digo o teu nome) - "Bolotas Alentejanas"

Too early...

R.S.N. Requiem

Raiva

R.S.N. I

Requiem M II